sábado, 17 de maio de 2008

LILITH


Ò Demónio vaidoso de mil vestes
não te aprestes a nos conquistar
e a nos transformar em perdidos
corações feridos à deriva no mar
-
Ò Espírito maligno, fecundo e irado
nosso aprumado rumo julgado certeiro
não sujeitarás a terreiro, à cobiça
vã na romana liça, de um julgamento matreiro
-
Ò Demo de todas nossas plumas favoritas
embriagada vomitas berrantes tons e cores
de quem nos oferta flores em jarras de cristal
e apenas exige o mal a quem lhe procura favores
-
Deixai sozinhos aqueles tristes pobres fracos
que só escutam parcos e frágeis teatrais lamentos
de seus próprios sofrimentos fingidos tão invejosos
pertenças de dias chuvosos de fortes trovões e ventos
-
LETRASALINHADAS

8 comentários:

mariadosol disse...

:)

Teresa Santos disse...

Pois é... a vida tem coisas assim. Coisas que têm tanto de belas como de assombrosas. Mas na maioria das vezes, o que nos assombra é somente o medo do que não conhecemos...
A vida é assim, e vale mesmo a pena vicê-la!!!v
Beijos
TS

Angel of Light disse...

Querido fan nº1 ...hihihi!

A razão da minha ausência, nestes últimos dias, já está à vista. Passa pelo meu último post e leva o que é TEU! Obrigada mais uma vez lindo ser de luz pela tua participação e partilha.

Beijinhos de Amor, Paz e Luz!

LeniB disse...

Também sou fão do Dali!
Gostei dos textos!
Voltarei
bjs

Ana Prado disse...

Perfeita a simbisoe entre a imagem e o texto.

Jo disse...

Lilith figura os conflitos femininos e seu legado de contradições, entre outros. Sintonia gótica, poema e imagem.

Grata pela visita!

Vigilante disse...

Muito bonito!

Bandys disse...

Lindo!