domingo, 16 de novembro de 2008

VENDE-SE


Quero sentir-me fora
fora de estar em mim
desencarcerando-me assim
donde a realidade mora
-
Quero sair do colete
colete tão apertado
que me mantém aprisionado
como num abominável corpete
-
Quero fugir desta carcaça
carcaça podre que me rodeia
sem saber o que me norteia
e lança à deriva minha barcaça
-
Quero-me de mim mesmo libertar
libertar da apertada amarra
desta pele que me agarra
e me condena a suplicar
-
Quero total independência
independência de ter de ser
totalmente fiel ao desprazer
de caminhar nesta demência
-
Quero nascer de novo
de novo tudo começar
até conseguir não mais lembrar
deste ser lamacento, deste estorvo
-
Quero de mim me esquecer
esquecer esta realidade
e abandonar a fatalidade
do que me obriga a sobreviver
-
Quero-me apenas vender, vender,
vender a quem pouco ou nada pagar
facilito, aceito permutas, ou aluguer,
basta que me aceitem por fim libertar!
-
LETRASALINHADAS

12 comentários:

Desnuda disse...

Tão sofrido e angustiante este grito....


Afetuoso abraço

Teresa Santos disse...

Ainda há uma hora ou duas aqui passei, e pensei: grande ausência!...deve estar a preparar-se mais um poema de ficar sem palavras!

Eu tinha razão!

Mas, tal como acabo de escrever no meu "cantinho", desistir não é perder. É recomeçar! É libertares-te, escolher outro caminho e receber o que a vida te der... De braços abertos!

Mas não aceites quem pague pouco, não aceites permutas, nem facilites o "pagamento". Exige tudo!!! O Valor que tens é impag´vel. És tu!

Beijocas,

T

LetrasAlinhadas disse...

Obrigado pela visita. Muito obrigado pelas palavras, pelo elogio. Uma ausência no limite é verdade, mas nem sempre é fácil escrever como se quer...No entanto, é muitissimo gratificante saber que segues com interesse o que escrevo, e acredita que eu também continuo sempre aqui, sempre curioso em ouvir as tuas musicas, as tuas escolhas.
Um beijo!

Com Tintas e Pincéis disse...

Triste mas belo,o poema!
Mas ainda com uma réstia de esperança...
O teu comentário sobre o retrato da minha mãe está certo em muitos aspectos.Só não é muito dura. Na realidade é uma grande mulher. Fico feliz por ter conseguido captar a sua personalidade.
Obrigada e um abraço

mdsol disse...

:))

Angel of Light disse...

Passei para te deixar luzinhas douradas sobre o teu espaço.

Tenho saudades tuas...

Beijinhos de Amor, Paz e Luz!

Sara Almeida Silva disse...

Eu diria um poema que o Jorge Palma podia pensar em musicalizar ;)

Mais uma vez, obrigada por teres passado.. Pra quem ouve J.P. encontra sempre músicas pra tudo.. Claro que há projectos que saem ao contrário, mas também há estrelas do mar e bairros do amor.. :)

Anónimo disse...

AGRADECIMENTO ESPECIAL PARA SI...

Venho sensibilizadamente agradecer a gentileza de ter registado esta tão significante e honrosa mensagem no meu Livro de Visitas.

Bem haja por este gesto emocionalmente bonito que me tocou na alma...

São para si estes modestos versos de agradecimento escritos pelo coração:

Guardo como relicários
Suas palavras bonitas
Que deixou nos comentários
Do meu Livro de Visitas !...

Minha página enaltece
E me deixa muito honrado
Sua mensagem merece
O meu sincero obrigado

É de excelsa importância
Esta sua cortesia
Pela afável relevância
Dada a Ecos da Poesia !...

Desejos dum óptimo fim de semana
com as mais fraternas saudações do amigo...
Euclides Cavaco
cavaco@sympatico.ca

Venha tomar comigo um cálice de poesia...
Entre por aqui na minha sala de visitas:
www.ecosdapoesia.com

Rebeca Borrero disse...

Vaya, muchas gracias por pasarte por mi blog. Yo encantada de recibirte ^^.
Nada, tampoco te creas que se me da tan bien escribir... ^^
Tú escribes mucho?

Thiago disse...

Apesar de triste, gostei deste teu post e de conhecer o teu espaço.
um abraço

Tita disse...

Muito obrigada pela tua visita ao meu blog.
O teu poema é lindo apesar da imensa melancolia que transmite. Não te sintas só no teu grito de libertação e acredita que já é dar aso à liberdade interior o simples facto de reconhecermos que nos queremos libertar...
Bjs

Sunshine disse...

Quem ainda não se sentiu assim?
O verbo querer tem tanta força!
beijinhos com raios de sol